"Temos de transformar o luto em luta" - JOSÉ CARLOS DIAS, presidente da Comissão Arns

A Comissão Arns recebe com profunda emoção a morte do poeta da esperança

Belisário dos Santos Jr. 17 Jan 2022, 9:49 thiago-mello.png

Faz escuro mas eu canto\ Porque a manhã vai chegar

Thiago de Mello, após ser afastado do cargo diplomático de adido cultural no Chile, durante a ditadura militar, por abrigar refugiados brasileiros em sua casa, voltou ao Brasil, sendo imediatamente preso. Diz a lenda que encontrou desenhado nas paredes da cela seu verso mais famoso, que animou toda uma geração a fazer frente ao autoritarismo. Teve então a certeza de que sua palavra movia e acalentava os que resistiam.

Poeta da esperança, trazia em seus versos a imagem do menino, a ideia da primavera e a necessidade da alegria.

*Fica decretado que, a partir deste instante,\ haverá girassóis em todas as janelas,\ que os girassóis terão direito\ a abrir-se dentro da sombra;\ e que as janelas devem permanecer, o dia inteiro,\ abertas para o verde onde cresce a esperança.*

Vem-me agora à ideia o menino de vinte anos que, chamado à casa do amigo assassinado pelo regime militar, escolheu entre os seus livros, exatamente “Faz escuro, mas eu canto”... Ainda o manuseio de quando em vez, sempre emocionado, com o cuidado de quem tem nas mãos um papiro precioso, agora aberto na homenagem à vida verdadeira:

Vida que não se guarda, nem se esquiva, assustada, Vida sempre a serviço da vida.\ Para servir ao que vale a pena e o preço do amor.    

Thiago celebrava sempre o amor, mas tinha uma palavra de alerta aos que se esqueciam que o amor não é propriedade, não é fato consumado, mas antes o exercício constante de pequenos gestos verdadeiros.

Chega um dia em que o dia se termina\ Antes que a noite caia inteiramente\ Chega um dia em que a mão, já no caminho,\ De repente se esquece do seu gesto.\ Chega um dia em que o amor, que era infinito,\ De repente se acaba, de repente.\ Força é saber amar doce e constante\ Com o encanto de rosa alta na haste,

Para que o amor ferido não se acabe\ Na eternidade amarga de um instante.

Nunca se esqueçam, decretou o poeta:

Nunca amar sem amor! 

Poeta da mudança concreta, da luta pelos direitos humanos e pelo meio ambiente, da necessidade de bater a injustiça, convocava:

*Vem ver comigo, companheiro,\ a cor do mundo mudar.\ Vale a pena não dormir para esperar\ a cor do mundo mudar.\ \ A poesia de Thiago de Mello não era gratuita, era sempre, como diz o título de um livro seu, “Poesia comprometida com a minha vida e a tua vida”*.

Eu me pego pensando por um segundo se, algum dia, Dom Paulo Evaristo Arns e Thiago de Mello trocaram ideias, abraços, profetas da esperança e da palavra que eram. Talvez não. Mas a ideia matriz da esperança que pregaram nos incendiou a todos os defensores de direito,s tornando-nos e tornando-os irmãos, animando a todos a seguir incansáveis na ideia de criar o homem novo.

Falando sempre na alegoria do menino, rodando e cantando, Thiago de Mello parece temer: 

O canto desse menino\ Talvez tenha sido em vão\ Mas ele fez o que pôde\ Fez sobretudo o que sempre lhe mandava o coração...

Mas dúvida alguma tinha sobre a valia da poesia, justo ele que sabia da força arrebatadora da palavra, do convencimento, do verso, e que pôs em poema a canção da rebeldia

Que existe nos fonemas da alegria:\ Canção de amor geral que eu vi crescer\ Nos olhos do homem que aprendeu a ler.

Thiago de Mello se foi, durante a madrugada, dormindo, mas nos deixou o mote, a esperança, a garra de lutar por essa ideia que assusta o medo, que varre o escuro, que recupera a alegria e que dá sentido à vida, aprendizes todos da certeza de que:

A manhã vai chegar

Foto: Folhapress