"Não tenho a menor dúvida que estamos lutando contra o golpe que está para acontecer" - JOSÉ CARLOS DIAS, presidente da Comissão Arns

Ato em memória de Bruno Pereira e Dom Phillips na Catedral de SP

8 Jul 2022, 17:58 ATO INTER-RELIGIOSO (Post para Twitter)

No dia 16 de julho, às 10h, a Frente Inter-religiosa Dom Paulo Evaristo Arns por Justiça e Paz, em parceria com a Comissão Justiça e Paz de SP, a Comissão Arns, o Instituto Vladimir Herzog e a OAB-SP, realizará ato em homenagem ao indigenista Bruno Pereira e ao jornalista britânico Dom Phillips na Catedral da Sé, centro da capital paulista.

Intitulado “Bruno e Dom presentes: em defesa dos povos indígenas do Brasil”, este encontro inter-religioso pretende ressaltar a importância de defender a vida, a terra e a cultura dos povos indígenas e tradicionais, proteger o ambiente e aqueles que lutam para preservá-lo, em meio a violações sistemáticas e institucionalizadas de direitos.

O evento contará com a participação de católicos, anglicanos, metodistas, pentecostais, judeus, muçulmanos, bahá’ís, budistas, kardecistas, povos tradicionais de matrizes africanas e membros da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, além de

representantes de povos indígenas, defensores dos Direitos Humanos e representantes da sociedade civil. Beatriz Matos, viúva de Bruno, e Alessandra Sampaio, viúva de Dom, também estarão presentes. O ato ainda conta com participações culturais, como o

cantor Chico César, o coral indígena Opy Mirim, a cantora Marlui Miranda e a cantora lírica Tati Helene. Dom Cláudio Hummes, conhecido como “profeta da Amazônia” por seu empenho na defesa socioambiental da região, e que faleceu em 04/07, também será lembrado na solenidade.

Em um manifesto, as organizações chamam a atenção para a escalada da violência contra os povos indígenas e tradicionais, fruto do descaso oficial e do desmonte de políticas públicas de preservação do meio ambiente - e cobram justiça pelas vítimas. “Honrar a memória desses defensores de direitos humanos exige dar continuidade à sua bem-aventurada missão. Assim, devemos relatar e denunciar a violência que se impõem sobre esses povos, exigir que sejam tomadas as providências devidas para a sua proteção, e transformar todas as crenças e estruturas que dão espaço para a violência”, diz o manifesto da Frente com as entidades parceiras.